Escolas estaduais da região de Ibirama ainda vão avaliar mudança de horário nas aulas do ensino médio noturno

A Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina recomendou às cerca de 500 escolas estaduais com ensino médio noturno que antecipem o horário de início das aulas das 19h para às 18h30 e de término das 22h35 para às 22h, mas por enquanto, a Gerência Regional de Educação de Ibirama, não deve aderir à mudança.

O comunicado foi feito pelo gerente de Educação Nilo Poffo, nesta terça-feira, dia 25, que afirmou que vai avaliar a situação de cada unidade. “Hoje o Estado não tem uma lei que permita o pagamento do adicional noturno aos professores que ficam após às 22h e para evitar cobranças judiciais a SED fez essa recomendação”, esclareceu.

Ele explica que antes de qualquer modificação, solicitou às equipes gestoras das escolas uma avaliação junto a sua comunidade escolar e todos os envolvidos. “Hoje as aulas iniciam às 19h e tudo está estruturado e organizado em torno desse horário. Além do transporte escolar também temos que considerar a situação dos alunos que na sua grande maioria trabalham e têm seu horário organizado e ainda dos professores que ministram aulas em dois ou três períodos.”

A diretora da Escola de Educação Básica Gertrud Aichinger, de Ibirama, Thalita Fusinato Wilhelm, ressalta que já iniciou um levantamento através dos registros de carteira de trabalho e contratos de estágio dos estudantes, mas afirma que uma análise preliminar indica problemas caso o horário seja alterado. “Percebemos que muitos alunos chegam na escola  poucos minutos antes de iniciar as aulas e outra situação é a do transporte escolar já que o ônibus que leva os alunos da tarde é o mesmo que busca estudantes para o noturno”, opina.

Alunos do Ceja optaram por mudar horário

Apesar do horário das aulas nas escolas ser mantido, depois de várias reuniões, os alunos do Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja) optaram por iniciar as aulas mais cedo conforme a recomendação da SED. “Eles não precisam de transporte e consideraram que para eles a mudança não traria nenhum prejuízo aos alunos, professores e ao próprio sistema. Nos demais locais o atendimento continua no horário de sempre e somente após os levantamentos e avaliação minuciosa da situação de cada escola é que será definida qualquer mudança.”

Helena Marquardt

Pin It
Você gostaria de comentar?