Rio do Sul perde para o Unilever com um espetáculo da torcida

Mesmo com casa cheia e 1,5 mil torcedores fazendo barulho, Rio do Sul/Equibrasil não foi forte o suficiente para derrotar o Unilever (RJ), do técnico Bernardinho, na noite de sexta-feira no Artenir Werner. O ginásio lotado e o desejo extra do time riossulense de fazer uma boa apresentação diante da torcida não foi suficiente para conter o poder ofensivo e o bloqueio da equipe carioca que venceu por 3 sets a 0 (16/25, 22/25 e 21/25).

O resultado mantém a equipe do Unilever como líder do campeonato. Já Rio do Sul não marca nenhum ponto mas com a derrota do São Caetano para o Vôlei Amil, o único representante do sul do país na competição permanece em oitavo lugar na Superliga.

A meio de rede Waleskinha do Unilever foi o destaque da partida, recebendo o troféu Viva Vôlei. Ela teve uma atuação impecável no bloqueio, fundamento que deu ao Unilever nada menos que 20 pontos na partida. Pelo lado de Rio do Sul, a opostoNeneca foi a maior pontuadora com 17 acertos e inclusive foi a atleta que mais pontos fez entre todas as equipes na sexta rodada da Superliga.

A dificuldade de Rio do Sul foi justamente conseguir dar resultado nas jogadas de ataque. Elis e Neneca tiveram belas atuações no saque dificultando a recepção da equipe carioca, o que resultou em nove pontos conquistados somente neste fundamento. No Unilever a líbero Fabi e a ponteiro Natália tiveram dificuldade de encaixar bons passes na recepção e isso rendeu bons momentos para Rio do Sul pontuar, principalmente no segundo set quando as donas da casa conseguiram abrir cinco pontos ao longo da parcial.

Só que o time do técnico Bernardinho tem um poder ofensivo que Rio do Sul não foi capaz de segurar. Sem contar com a ponta Logan Tom que torceu o tornozelo esquerdo durante o aquecimento em Rio do Sul, a função derradeira ficou nas mãos das meios de rede Juciely, Waleskinha e da oposta canadense Sarah Pavan que deram conta do recado e mais uma vitória para a equipe líder da Superliga Feminina

Dificuldade contra o líder do campeonato era previsível

O técnico de Rio do Sul, Rogério Portela parabenizou as atletas o time pela postura em quadra e salientou que jogar contra o líder do campeonato em casa sempre gera uma pressão muito grande. “Quando a gente fica sabendo que dias antes do jogo a torcida esgota os ingressos em poucas horas e que comparece dando apoio para a gente, a tensão aumenta. A gente quer sempre fazer o melhor, mesmo que seja contra o time multicampeão do Bernardinho”.

Portela salienta que as dificuldades com o bloqueio e o ataque forte do Unilever eram esperadas, e que o time optou por forçar os saques e ter mais eficiência na recepção. “É difícil vencer uma equipe tão forte, mas nós deixamos nossa marca. À medida que o jogo foi passando a gente conseguiu trabalhar as jogadas e todo o grupo se esforçou ao máximo”, acrescenta.

Rio do Sul passa a semana em treinamentos no ginásio Artenir Werner. Na quinta-feira, embarca para São Caetano do Sul (SP) onde no dia seguinte enfrenta o São Cristóvão Saúde/São Caetano pela sétima rodada da Superliga. O jogo é um dos mais importantes de toda a Superliga para Rio do Sul, já que o time adversário é um dos que lutam diretamente pela oitava vaga no campeonato, o que garante classificação para a próxima fase do campeonato.

Atletas e torcida prestam homenagem à cidade de Santa Maria (RS)

Atletas da equipe Rio do Sul/Equibrasil e do Unilever entraram em quadra vestindo camisetas brancas como forma de prestar respeito e homenagens para a cidade de Santa Maria (RS), que teve na semana passada uma das piores tragédias da história mundial. Um incêndio na boate Kiss causou a morte de 237 pessoas e ainda há pelo menos outros 113 internados.Praticamente 90% da torcida também foi ao ginásio Artenir Werner com camisetas brancas para manifestar solidariedade com a cidade gaúcha.

 

Pin It

Comentários estão fechados.