SC reduz a praticamente zero a fila de espera para transplantes de córneas

Nos últimos dois anos, Santa Catarina reduziu em 83% o número de pacientes que aguardam em fila por um transplanta de córneas. No começo de 2014, 542 pessoas aguardavam pelo procedimento – hoje são apenas 93, quantidade que deixa a fila tecnicamente zerada, de acordo com especialistas na área.

Segundo o coordenador estadual da SC Transplantes, Joel de Andrade, no dia 15 de dezembro de 2015, seis doadores geraram 11 córneas para transplantes, correspondendo a mais de 10% da lista atual. “Estes resultados permitem que qualquer cidadão catarinense que necessite do procedimento esteja transplantado em poucas semanas, o que significa que zeramos a fila por transplante de córneas”, comemora Andrade, reforçando que o sistema estadual de transplantes se consolida como uns dos melhores da América Latina. “Há anos buscávamos este objetivo e, para atingi-lo, foi fundamental a nova gestão do Banco de Tecido Ocular do Hospital Regional de São José, sob a responsabilidade técnica do médico Rodrigo Cavalheiro, com resultados que aumentaram em três a quatro vezes as taxas de doação de tecido ocular na Grande Florianópolis, impactando positivamente outras regiões do Estado”, explica o coordenador do SC Transplantes.

Há seis anos, Santa Catarina lidera o ranking nacional com o maior número de doadores de órgãos e tecidos.

Transplantes por regiões

Hoje em Santa Catarina, na distribuição por região, temos em fila de espera por tranplante de córnea:

– Grande Florianópolis: 18 pacientes, sendo que o Hospital Universitário zerou a fila de espera.

– Meio Oeste: 10 pacientes

– Nordeste: 48 pacientes, sendo que a maioria está em instituições que realizam o procedimento por meio de convênio ou particular.

– Vale do Itajaí: 17 pacientes

– As demais regiões não tem receptor em fila.

Histórico das doações efetivas de tecido ocular por ano

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2015

225

382

463

472

539

648

916

767*

*Houve redução na faixa etária para captação de tecido ocular, sendo atualmente até 70 anos.

Histórico dos Transplantes no Estado

Ano

Córnea

Esclera

Total

2010

502

66

568

2011

462

59

521

2012

479

83

562

2013

504

128

632

2014

732

90

822

2015

693

135

828

Total

3370

559

3933

Queda na taxa de negativa familiar

Outro dado importante observado pelo coordenador Estadual da SC Transplantes refere-se à queda na taxa de negativa familiar para a doação de órgãos de pacientes com morte encefálica.

Atualmente, apenas 35% das famílias dizem não para doação de órgãos. Mas houve grande avanço, pois em 2007 a negativa era de 70%. “Nossa meta é chegar a 15% de recusa familiar, o mesmo percentual da Espanha, país que seguimos como exemplo”, pondera Joel de Andrade.

Como posso ser doador

Hoje, no Brasil, para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito, basta comunicar à família. A doação de órgãos só acontece após autorização familiar. Por isso, os profissionais recebem treinamentos constantes para saber como melhor proceder no momento doloroso e difícil de comunicar a morte do paciente. Só em 2015 foram realizados 18 cursos de capacitação no processo de doação e transplante de órgãos e tecidos. “O nosso grande diferencial é que desenvolvemos técnicas para melhor acolher as famílias que perdem seus entes queridos”, explica Andrade.

Gabriela Ressel

Pin It
Você gostaria de comentar?