Saiba quais são as cores das bandeiras de sinalização nas praias para o verão

bandeiras_dos_salva-vidas_20171220_1512649356

Para orientar os banhistas que frequentam as praias catarinenses durante a temporada de verão, o Corpo do Bombeiros Militar de Santa Catarina utiliza bandeiras de diferentes cores indicando os locais perigosos para entrar na água e aqueles em que o mar é mais calmo.

Nos postos de guarda-vidas, três tipos principais de bandeiras orientam os frequentadores das praias com relação às condições do mar:

Bandeira verde – Baixo risco de afogamento e mar em boas condições, sem presença de correntes de retorno.

Bandeira amarela – Risco de afogamento médio, requer um certo cuidado ao entrar na água, principalmente com as correntes de retorno.

Bandeira vermelha – Alto risco de afogamento, recomenda-se não entrar no mar, presença grande de correntes de retorno.

Caso haja uma bandeira lilás nos postos de guarda-vidas, significa que há presença de águas-vivas no mar, devendo-se evitar entrar na água nesses balneários.

Outra bandeira utilizada nos postos é a de cor preta, que indica que o posto está desativado e sem a presença de guarda-vidas naquele momento.

Ao longo da orla, mais próximo ao mar, também são usadas bandeiras para indicar locais tranquilos para mergulhar e regiões que apresentam correntes de retorno, que trazem alto risco de afogamento. São bandeiras triangulares na cor verde ou vermelha.

“A bandeira triangular verde na beira do mar aponta que o local é mais apropriado para banho porque o mar é mais tranquilo. Quando a bandeira na beira da praia é triangular vermelha, significa que ali há presença de correntes de retorno, que trazem alto risco de afogamento. Onde tem bandeira vermelha na beira da praia não é para entrar na água” alerta o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Onir Mocellin.

Essas correntes de retorno são a causa de 95% das ocorrências de afogamento em Santa Catarina, segundo o Corpo de Bombeiros.

“Nesses locais a água do mar retorna com mais força da areia e puxa o banhista para dentro do mar”, orienta Mocellin.

O comandante também explica que caso uma pessoa seja puxada por uma corrente de retorno ela não deve se afobar, nem tentar nadar diretamente contra a corrente em direção à areia. A orientação é que o banhista nade de forma paralela à faixa de areia, para conseguir sair da corrente de retorno.

O Corpo de Bombeiros orienta ainda que os banhistas sempre procurem os postos de guarda-vidas para ter mais informações sobre as condições do mar na praia e saber os melhores locais para entrar no mar e evitar incidentes.

Fabio Tarnapolsky

Pin It
Você gostaria de comentar?