Pesquisa sobre sobras do corte da palmeira pode ser retomado no Estado

DelRe2006_1104_063257AA1

O Estado de Santa Catarina se transformou em um dos principais reflorestadores de palmeiras e exploração e industrialização do palmito. Segundo o ultimo censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE cerca de 1500 hectares são cultivados com Palmeira Real, Jussara e outras espécies no estado. O deputado estadual Aldo Schneider (PMDB) esta solicitando junto o Governo de Santa Catarina, através da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural, EPAGRI que seja retomado a pesquisa e estudo científico para dar destino adequando às sobras do corte da Palmeira.

De acordo com o deputado Aldo, a EPAGRI já realizava este estudo e era de grande importância para o agricultor, que pode gerar e agregar renda ao produto que ele cultiva, o palmito, comenta o parlamentar.

São cerca de 350 indústrias catarinenses gerando centenas de empregos diretos e indiretos, movimentando a economia nos municípios, estado e em todo o país.  Apesar desse excelente desempenho, os empresários se deparam com um grande problema. É a sobra decorrente do corte da Palmeira e resíduos industriais como talos, caules, bainhas e troncos, por exemplo, que resultam em centenas de toneladas de material não aproveitado. Com esta sobra, por exemplo, pode ser comercializada a ração para animais, material orgânico e artesanato, mas somente a pesquisa ira dizer o que pode ser feito e reaproveitado com este material que hoje é jogado fora.

Esta indicação foi encaminhada através da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, ALESC, pelo deputado Aldo Schneider (PMDB) ao Governo do Estado de Santa Catarina, ao Secretário de estado da Agricultura e da Pesca João Rodrigues, e ao Presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural, EPAGRI Luiz Hessmann.

Ramiro Fernandes – Assessoria de imprensa do dep. Aldo Schneider.

Pin It
Você gostaria de comentar?