Passageiros do transporte público temem aumento dos ataques fora do horário de escolta

Apesar de os ônibus de transporte coletivo que circulam a partir das 20 h na capital catarinense contarem com escolta policial, passageiros continuam apreensivos com a onda de ataques no estado. “Eles estão atacando agora fora do horário da escolta [das 20h às 23h]”, relatou o motorista David Duarte, 33 anos, uma das pessoas que esperavam para embarcar no Terminal de Integração do Centro (Ticen).

No fim da tarde dessa terça-feira (5), fora do horário de proteção policial, mais um ônibus foi incendiado. De acordo com a Polícia Militar (PM), por volta das 17h30, no bairro Saco dos Limões, dois adolescentes atearam fogo no veículo da empresa Transol. A PM informou ainda que as chamas atingiram a rede elétrica, deixando parte da região sem luz. Um dos adolescentes foi apreendido e liberado em seguida. Ninguém ficou ferido.

No dia seguinte após o primeiro ataque, que ocorreu em 30 de janeiro, viaturas da Polícia Militar passaram a fazer escoltas a ônibus em Florianópolis. As cidades de Criciúma, no sul do estado, e Joinville, na região nordeste, também contam com a proteção extra.

De acordo com a PM, o maior efetivo para essa operação está em Joinville, com 43 policiais e 12 viaturas. Em Criciúma, não há interrupção ou diminuição do horário de circulação dos ônibus, pois a escolta funciona 24 horas nas linhas mais críticas.

Por volta das 21h, no Ticen, passageiros reclamavam da demora e da lotação dos ônibus. “Agora, levo até duas horas para chegar em casa. Antes, fazia em uma hora. Tem segurança, mas os ônibus estão demorando muito a sair por conta da escolta ”, diz o empacotador Lucas Batista, 18 anos.

O Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano de Florianópolis (Sintraturb) acompanhou os embarques dos passageiros durante a noite de ontem no centro. “Estamos aqui para garantir que nenhum ônibus saia sem escolta”, declarou Denísio Linder, secretário de Comunicação da entidade.

Para Linder, o ideal seria que a escolta fosse feita em horário ampliado, mas reconhece que o efetivo policial não daria conta da frota de 1,1 mil ônibus do sistema municipal.

O instrutor de tráfego Leandro Marchi, da empresa Transol, está apreensivo com a segurança dos motoristas e cobradores que trabalham na empresa. “São colegas de trabalho. A gente fica preocupado. Com a escolta é bem mais seguro, mas ela não pega todo mundo”.

A escolta de ônibus do transporte público foi uma das ações anunciadas pelo governo estadual para conter a série de ataques em Santa Catarina. Foram anunciados ainda o reforço do policiamento em áreas identificadas como possíveis alvos e a instalação da sala de situação da PM.

Pin It

Comentários estão fechados.