Governo do Estado apresenta balanço da temporada de verão, que foi marcada por bons índices em SC

balanco_do_turismo_em_sc_2015_2016_20160222_1407933905

O governador Raimundo Colombo e o vice Eduardo Pinho Moreira reuniram todos os órgãos envolvidos com a Operação Veraneio 2015/16, nesta segunda-feira, 22, para entrevista coletiva de balanço da temporada.  Santa Catarina teve uma das melhores temporadas dos últimos anos, conforme relatórios das secretarias Segurança Pública, do Turismo, Cultura e Esporte, Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc), Santa Catarina Turismo (Santur) e Fundação do Meio Ambiente (Fatma).

“Estamos registrando uma excelente temporada, que tem contribuído muito para a economia do nosso estado. O turismo ajuda na manutenção e ampliação dos empregos, além de ser um vetor importante de atrativo de riqueza, de renda e de oportunidades. Santa Catarina, até nas receitas públicas, têm um indicador melhor do que a média brasileira, exatamente pela questão do turismo que hoje representa mais de 12% da nossa economia. Turismo é uma atividade de longo prazo, por isso temos que desenvolvê-lo em todas as regiões e durante o ano todo”, disse o governador.

Santa Catarina teve uma temporada movimentada. De dezembro de 2015 a fevereiro de 2016, o estado recebeu oito milhões de turistas, e a previsão é receber mais 1,5 milhão de pessoas até a Páscoa, incluindo catarinenses, estrangeiros e visitantes de outros estados do Brasil. O número de voos extras nacionais do Aeroporto Hercílio Luz teve um aumento de 45,8% em relação à temporada passada.

A estimativa da ocupação hoteleira, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih-SC), foi de 90% na Grande Florianópolis, 91% nas estâncias termais, 70% na Serra catarinense e 90% na Costa Verde e Mar (de Porto Belo a Luis Alves) . O número de cruzeiros em Porto Belo foi de 27, e em Itajaí, 16. No Terminal Rita Maria, em Florianópolis, chegaram 13.531 ônibus entre 15 de dezembro e o início de fevereiro, sendo 3.384 no período do Carnaval. Durante a temporada, foram 450 ônibus extras, conforme o Deter. A Flecha Bus, maior empresa que opera linhas da Argentina para SC, contabilizou 20 ônibus diários em janeiro. Em fevereiro, a empresa está com 13 veículos diários.

Na fronteira, em Dionísio Cerqueira, dados da Polícia Federal apontam que o registro de entrada de pessoas foi de 80.764 pessoas entre 1º de janeiro e 10 de fevereiro, ou seja, um crescimento de 62% em relação ao mesmo período de 2015.

“Essa foi a temporada mais positiva que Santa Catarina registrou nos últimos anos. Conseguimos divulgar ainda mais nosso estado, gastronomia e produtos. Com isso, todos ganham. Esse movimento se deve a dois fatores: a alta do dólar, que fez com que muitos brasileiros escolhessem destinos nacionais, e a ampla promoção do nosso estado no mercado nacional e América do Sul”, explicou o secretário de Turismo, Cultura e Esporte, Filipe Mello.

>>> Balanço da Secretaria de Turismo

Segurança Pública

A Operação Veraneio movimentou 9.165 profissionais, entre policiais militares e civis, bombeiros militares e técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP), atuando no Litoral e Interior do estado, em 157 praias, 35 balneários e 17 estâncias hidrominerais.

Foram usados nesta temporada 112 embarcações, 1.650 viaturas, 46 quadriciclos, seis helicópteros, dois aviões, 32 bases e delegacias móveis. Os investimentos chegaram a R$ 26 milhões em diárias, combustível e salários contratados.

O balanço estatístico mostrou que do dia 22 de dezembro de 2015 a 15 de fevereiro deste ano, comparando com a temporada passada, houve uma redução de roubos em veículos em 33%, roubos de veículos (-15,4%), em comércio (-30,5%), roubos a transeuntes (-10,5%); furtos em geral (-7,8%). A redução de latrocínios foi de 81,8% e o número de pessoas desaparecidas foi 61% menor do que temporada passada.

Nas cidades sede de Operação Veraneio não houve registros de ocorrências graves no Natal, Réveillon e Carnaval. No período de 22 de dezembro a 15 de fevereiro, foram realizadas pela Polícia Militar 3.471 operações, com 190 armas e 201 quilos de drogas apreendidas.

As aeronaves da PM realizaram 566 missões, da Polícia Civil, 97 missões, e do Corpo de Bombeiros, 391 missões.  Ao todo, 532 pessoas foram socorridas pelas unidades aéreas. Foram 311 quilômetros lineares de praias monitoradas, com 320 postos de guarda-vidas; 169 recuperações de pessoas afogadas; e 1.904 atendimentos de crianças perdidas em faixa de areia nas praias monitoradas. Um dado curioso é que foram feitas cerca de 2,6 milhões de intervenções e advertências com apito para alerta de perigo a banhistas.

No IML, foram realizados 5.995 exames periciais. O número de afogamentos com óbito em água doce foi de 66 em locais que não contavam com guarda-vidas; em água salgada três em locais com guarda-vidas e 26 em locais sem os profissionais.

Para o secretário de Estado da Segurança Pública, César Augusto Grubba, a temporada de verão foi positiva, pois o estado não teve crimes de grande repercussão e os casos de roubos e furtos registrados estão dentro da normalidade. “Tudo isso se deve à união das forças e ao reforço que recebemos na Operação Veraneio”, disse.

>>> Balanço da Segurança Pública

Abastecimento de água

O consumo médio entre os dias 25 de dezembro e 15 de fevereiro registrado pela Casan no Norte da Ilha de SC foi 27% a mais do que no verão passado; no Centro (sistema integrado) foi 10%; na Costa Sul/Leste foi 20% e no Continente não houve alteração. Os picos de consumo em Florianópolis foram registrados no Réveillon e Carnaval no último dia do ano de 2014: 1.050 litros por segundo. Nesta temporada, o número aumentou ainda mais: 1,4 mil litros por segundo. No dia 8 de fevereiro deste ano, registrou-se o recorde de consumo com 1.750 litros por segundo. Estima-se que neste dia havia 756 mil pessoas na cidade.

O presidente da Casan, Valter Gallina, disse que a temporada foi marcada pelo fornecimento recorde de água tratada. Conforme ele, houve mais de cem ações operacionais ou obras, com investimento superior a R$ 90 milhões, que garantiu o abastecimento tranquilo para os moradores das cidades litorâneas e um número recorde de turistas.

>>> Balanço da Casan

Obras de esgoto em SC

A companhia está com 23 obras em andamento em várias regiões do estado e outras 11 obras começam ainda em 2016. Florianópolis tem 57% de cobertura de esgoto e deve superar 70% até 2018. A cobertura do esgoto em SC em 44 anos era de 19% e, em três anos, deve aumentar mais 30%. Até 2018, o estado deverá ter 49 % de cobertura de rede de esgoto.

Balneabilidade

As análises da Fundação do Meio Ambiente em 211 locais são feitas semanalmente, durante a temporada de verão. O relatório apresentado nesta segunda-feira aponta que 149 pontos estão próprios para banho. Em Florianópolis, 49 estão em boas condições de banho e 26 impróprios. Nas outras regiões, 100 estão próprios e 26 devem ser evitados.

“A empresa cumpriu a seu papel de informar a população sobre a balneabilidade e de efetuar a fiscalização necessária. Percebemos um grande aumento no número de praias próprias para banho no nosso estado e temos certeza que isso vai ser uma crescente”, destacou o  presidente da Fatma, Alexandre Waltrick Rates.

>>> Balanço da Fatma

Distribuição de energia

De acordo com o presidente Cleverson Siewert, a temporada de verão consiste no período do ano que requer maior atenção ao comportamento dos sistemas elétricos, pois há um aumento significativo na demanda de energia, forte sazonalidade, ocorrências de temporais e condições climáticas adversas, além de maior procura por serviços comerciais nas regiões balneárias.

Entre as ações preparatórias para este verão, estão adequação do sistema elétrico de alta, média e baixa tensão, aumento na quantidade de eletricistas e reforço no atendimento comercial.

No período de 21 a 31 de dezembro, a demanda média de megawatt  foi de 2.478, um aumento de 5,6% em relação à mesma época do ano passado. Cleverson Siewert informou que em 2016, os investimentos no sistema elétrico serão de R$ 320 milhões. No sistema de alta tensão, serão cerca de R$ 106 milhões para subestações e linhas de transmissão.

>>> Balanço da Celesc

Elisabety Borghelotti 

Pin It
Você gostaria de comentar?