Couves-flores coloridas são cultivadas por agricultores de Rio do Sul

Divulgação

Já imaginou colher uma couve-flor roxa ou alaranjada? Pois é exatamente essa experiência que alguns agricultores de Rio do Sul estão vivenciando. As verduras coloridas são resultados de um experimento proposto pelo Departamento de Agropecuária da Prefeitura. Além de apresentar mais nutrientes que a hortaliça comum, a couve-flor com coloração diferenciada pode se tornar um novo nicho de mercado para que pequenos produtores implementem a renda familiar.

As sementes geneticamente modificadas foram recebidas pelo Departamento de Agropecuária em abril como doação. Depois das cerca de 100 mudas serem cultivadas, elas foram distribuídas a agricultores do município. “Entregamos cerca de 10 exemplares para cada produtor rural. Eles realizaram o cultivo e agora as couves-flores estão no período de colheita, com uma coloração bem diferente daquela que estamos acostumados”, explica a engenheira agrônoma, Vandreia Ricobom Teixeira.

As hortaliças coloridas variam entre roxas e alaranjadas. Como são plantas melhoradas geneticamente, possuem uma quantidade nutricional maior que a couve-flor comum, mas o gosto se mantém praticamente o mesmo. Vandreia afirma que neste ano o plantio foi apenas em caráter experimental, mas diante dos resultados positivos, a ideia é que o cultivo seja ampliado nas próximas safras.

“Neste primeiro momento nós queríamos nos certificar que a produção desse tipo de couve-flor é viável aqui na região. Tudo depende do cuidado que os produtores têm com as mudas, mas na maioria das propriedades a hortaliça se desenvolveu bem. No ano que vem, nossa ideia é oferecer as sementes em maior quantidade para mais agricultores”, projeta a engenheira agrônoma.

Pela coloração diferenciada, a couve-flor se torna um produto atraente para restaurantes e empresas do setor alimentício. Além disso, uma das propostas é futuramente inserir as verduras coloridas no cardápio da merenda escolar, para estimular as crianças a consumirem esse tipo de alimento.

Sindréia Nunes

Pin It
Você gostaria de comentar?