Compra de merenda escolar de pequenos produtores fortalece agricultura familiar em Santa Catarina

Para muitos alunos da Rede Estadual de Ensino de Santa Catarina a merenda escolar é uma importante aliada no desenvolvimento e garante refeições completas e balanceadas que muitos estudantes carentes dificilmente têm em suas casas. Mas além de beneficiar crianças e adolescentes, os alimentos servidos diariamente nas escolas também fortalecem a agricultura familiar. Só neste ano o Governo do Estado vai adquirir quase R$20 milhões de produtos para a merenda escolar e a compra é decisiva para que pequenos produtores continuem no campo.

Roseli Fossa sabe bem dessa importância. A empresa familiar que ela administra foi criada pelo pai em 2006, em Vitor Meireles, e desde então abastece principalmente a merenda escolar.  Só em março ela vendeu aproximadamente R$ 67 mil em filés de tilápia. “Hoje já compramos de produtores de toda a região, limpamos, fazemos o filé e depois vendemos para o Estado. Nossa produção é de mais ou menos 13 toneladas de filé por mês.”

Ela lembra que mesmo após o falecimento dos pais, procurou continuar o sonho da família e a produção continua crescendo a cada ano graças a venda para o Governo do Estado. “Hoje já compramos mais um caminhão e a ideia é ampliar para aumentar a produção porque já não estamos mais dando conta”.

A história de Roseli se confunde com a de tantos outros milhares de catarinenses que encontram na venda de alimentos para a merenda escolar um incentivo e fonte de renda extra.  Em Dona Emma, por exemplo, o negócio tem dado tão certo que os produtores resolveram se organizar e fundar a Cooperativa da Agricultura Familiar do Vale do Itajaí (Coorpefavi), um instrumento que tem facilitado ainda mais a comercialização dos produtos.

Atualmente a cooperativa conta com 266 sócios de 15 municípios da região, entre eles as agricultoras Laurita Meneguelli, Catarina de Oliveira e Solenir Sabel, que dividem a rotina na roça com a produção de pães, cucas e bolachas. Elas vendem em média quase 600 quilos de biscoitos por mês e cerca de 50 quilos de pão que complementam a merenda dos estudantes. “Agora já vai fazer dois anos que estamos com a padaria. No começo foi pesado porque bancamos os ingredientes do bolso, mas depois foi melhorando e não temos do que reclamar.” conta Laurita.

Catarina lembra que dessa o trio não precisa sair de casa para tentar comercializar os produtos e mesmo assim a venda é garantida, o que facilita bastante o trabalho e deixa as agricultoras motivadas para continuar no ramo. “No começo até tentamos vender de casa em casa, mas muita gente não pagava certinho, por isso optamos em ficar só na merenda escolar e estamos muito contentes”.

O presidente da Cooperfavi, Valdecir Caxoeira, garante que o resultado das vendas de 2015 e 2016 ainda estão sendo comemorados e fortaleceram muitas agroindústrias da região. “Vendemos bastante panificados, produtos in natura e agroindustrializados como suco de uva, farinha de milho e de mandioca, doce de frutas, entre outros. Só no ano passado vendemos mais de R$ 1 milhão para a merenda, um valor agregado que na nossa avaliação é muito importante para manter esses agricultores no campo e garantir a qualidade da merenda servida nas escolas.”

A lei estabelece que pelo menos 30% dos produtos sejam adquiridos da agricultura familiar, e segundo o gerente de Educação, da 14ª ADR, Nilo Poffo, todos saem ganhando. “Acredito que comprando da agricultura familiar estamos fornecendo um alimento fresco, saudável e contribuindo com o desenvolvimento da região, afinal a agricultura, especialmente a familiar, é a base de nossa economia”, finaliza.

Helena Marquardt

Pin It
Você gostaria de comentar?