Começa a campanha de vacinação contra a gripe em Santa Catarina

campanha_contra_a_gripe_20160425_2092986679

A campanha de vacinação contra a gripe começou em Santa Catarina, nesta segunda-feira, 25. O Estado terá disponível 1.759 milhões de doses. Para dar início à campanha, o Estado recebeu 754.130 doses, o equivalente a 42,8% do total.  O medicamento protege contra os vírus influenza A (H1N1), Influenza A (H3N2) e B, garantindo a imunização por um ano. A campanha tem o objetivo de reduzir as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelo vírus da Influenza na população alvo para a vacinação. O governador Raimundo Colombo acompanhou o lançamento e recebeu a vacina, no Posto João Paulo, em Florianópolis, no início da manhã.

“A vacina já está disponível. Fazemos um apelo para que todos que estão nos grupos prioritários compareçam aos postos e recebam a vacina. Não dói, e não há reações adversas graves, atua na prevenção, é segura e, além disso, evita complicações causadas pelo vírus. Tenho certeza que com isso vamos diminuir o risco que hoje estamos enfrentando com a gripe”, disse o governador.

A meta da campanha é vacinar 80% das 1.739.814 pessoas dos grupos prioritários, em Santa Catarina, até o dia 20 de maio. Devem ser vacinados os idosos (acima de 60 anos), crianças entre 6 meses e 5 anos de idade, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, doentes crônicos, profissionais de saúde, indígenas, trabalhadores e detentos do sistema prisional.  Haverá 1,7 mil unidades de saúde com salas de vacinação aptas para imunizar a população. A campanha envolve 6,6 mil profissionais da área da Saúde no Estado.

O secretário de Estado da Saúde, Murilo Capella, destacou a importância da vacinação e a gravidade da doença. “Todos que estão nestes grupos devem tomar vacina, mesmo que estejam gripadas. A gripe é uma doença grave, e é muito mais grave aos grupos prioritários, que em 2015, tiveram 87% dos casos de óbito. A vacina deixa as pessoas mais protegidas para enfrentar o inverno, pois é principalmente a época mais crítica”.

A Secretaria de Estado da Saúde decidiu antecipar para o dia 25 de abril o início da campanha de vacinação contra o vírus influenza, que estava prevista para ocorrer de 30 de abril a 20 de maio. “Neste ano foi identificada em alguns estados do Brasil uma circulação mais precoce do vírus da gripe, com isso foi feito um esforço em conjunto com o Ministério da Saúde, Estado e municípios . para antecipar a campanha”, explicou o superintendente de Vigilância em Saúde da SES, Fábio Gaudenzi.

O superintendente informou ainda que a vacina é segura, feita com partículas do vírus, isso significa que ela não tem a capacidade de gerar gripe na pessoa que foi vacinada. “O que pode haver depois da vacinação são alguns sintomas, ou seja, um pouco de dor no local da aplicação ou um desconforto,dor pelo corpo e febre. Todas estas ocorrências podem ocorrer em número bem pequeno de indivíduos, e tendem a desaparecer em 48 horas. Isso indica que a imunidade foi ativada pela vacina”.

O aposentado José Abel Bressan saiu cedo de casa para tomar a vacina, e ressaltou a importância da vacinação. “Eu tomo a vacina há muitos anos e o resultado é excelente. É mais qualidade de vida, já tive gripes que me deixavam de cama, e após as vacinas nunca mais tive gripe forte. Tenho uma vida mais saudável. Recomendo e aconselho para que todos recebam a vacina”, contou.

“Assim que fiquei sabendo que a vacina estaria disponível no posto já me programei para vacinar a minha filha. Eu acho importante a prevenção, porque não sabemos o que pode acontecer, e como já houve mortes é mais preocupante ainda”, relatou Aline Conterno, mãe da Nicole de um ano, que também estava no posto de saúde para a vacinação.

Dia D

O dia “D” de mobilização será realizado no sábado, 30 de abril, em todos os municípios catarinenses. Os postos de vacinação deverão ficar abertos das 8h às 17h.

Proteção

Estudos utilizados pelo Ministério da Saúde demonstram que a vacinação pode reduzir de 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% da mortalidade global, e em aproximadamente 50% as doenças relacionadas à influenza.

Dados do último boletim epidemiológico

Até o dia 19 de abril (Semana Epidemiológica 16) foram notificados 554 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em Santa Catarina. Destes, 111 (20%) foram confirmados para influenza, sendo 109 (97,2%) pelo vírus influenza A e dois (1,8%) pelo vírus influenza B. Dos casos confirmados para influenza A, 108 são do tipo H1N1 (97,2%) e um (0,9%) ainda aguarda a subtipagem laboratorial (para identificar se o vírus influenza A é do tipo H1N1 ou H3N2).

Dos 36 óbitos por SRAG notificados, 19 foram confirmados por influenza, sendo 18 pelo vírus influenza A e um pelo vírus influenza B. Dos óbitos confirmados por influenza A, 18 são do tipo H1N1. Outros 16 óbitos por SRAG apresentaram resultado negativo para influenza A e B, sendo classificados como SRAG não especificada.

A SRAG são casos de síndrome gripal que evoluem com comprometimento da função respiratória, sem outra causa específica, que, na maioria dos casos levam à hospitalização. Os casos podem ser causados por vírus respiratórios, dentre os quais predominam os da influenza do tipo A e B; ou por bactérias, fungos e outros agentes.

As regiões de Blumenau, Joinville, Itajaí e Lages concentram o maior número de casos confirmados de SRAG pelo vírus influenza no Estado até o momento. O município de Blumenau apresenta o maior número de casos confirmados (37), seguido por Joinville (14), Itajaí e Lages (nove), Araranguá (sete), Grande Florianópolis (seis) e Criciúma (

Mais informações podem ser obtidas no portal

Saiba mais:

Contraindicações

A vacina não é recomendada para pessoas com alergia ao ovo, pois é usada na sua fabricação, e que já tiveram reação anafilática ou alérgica à vacina.

Categorias de risco clínico com indicação para vacina contra influenza:
Doença respiratória crônica
Doença cardíaca crônica
Doença renal crônica
Doença hepática crônica
Doença neurológica crônica
Diabetes
Pacientes imunodeprimidos
Obesos grau III
Transplantados
Portadores de trissomias: Síndrome de Down, Síndrome de Klinefelter, Sídrome de Wakany, dentre outras.

Quanto tempo leva para a vacina fazer efeito?

Em adultos saudáveis, a detecção de anticorpos protetores se dá entre 2 a 3 semanas após a vacinação, e apresenta, geralmente, duração de 6 a 12 meses. O pico máximo de anticorpos ocorre após 4 a 6 semanas após a vacinação.

Sobre a gripe

A gripe é uma doença grave causada pelo vírus Influenza, que é transmitido a partir das secreções respiratórias, podendo sobreviver por minutos no ambiente, sobretudo em superfícies tocadas frequentemente. Os sintomas iniciais são febre alta, dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e persiste por cerca de três dias.

O vírus possui grande variabilidade de seu material genético, podendo apresentar três tipos e inúmeros subtipos. Os tipos A e B são os que mais causam doenças no ser humano. O influenza A é subtipado de acordo com as partículas que existem em sua superfície, sendo nominado com as letras H e N (Hemaglutinina e Neuraminidase), por exemplo: H1N1, H3N2, H5N1, H7N9. Todos estes são subtipos distintos do vírus Influenza e que podem variar suas características de agressividade. Os vírus A que estão circulando com mais intensidade nos últimos anos são o subtipos H3N2 e o H1N1, que são de linhagens distintas (não são mutações um do outro), e ambos têm potencial de causar doença grave.

O que é a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)?

São casos de síndrome gripal que evoluem com comprometimento da função respiratória, sem outra causa específica. Podem ser causadas por vírus respiratórios – dentre os quais predominam o Influenza – ou por bactérias, fungos e outros agentes.

O que é a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Influenza?

São casos de síndrome gripal que evoluem com comprometimento da função respiratória, sem outra causa específica. São causados pelos vírus Influenza A ou B.

Como evitar a gripe?

Lave e higienize as mãos com frequência, principalmente antes de consumir qualquer alimento
Ao tossir ou espirrar, proteja o rosto com um lenço ou o antebraço
Evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca
Higienize as mãos após tossir ou espirrar
Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas
Mantenha os ambientes bem ventilados
Evite contato próximo a pessoas que apresentem sintomas de gripe.

Se você tiver sintomas de gripe, deve:

Procurar imediatamente um serviço de saúde a fim de buscar tratamento adequado
Após o início do tratamento, deve-se evitar sair de casa no período de transmissão da doença (até sete dias após o início dos sintomas)
Evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados
Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Onde está sendo realizada a vacinação?

Em 1,7 mil postos de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) espalhados em todo o Estado. Estes postos estão situados em Unidades Básicas de Saúde (UBS). Recomendamos buscar o mais próximo de sua residência.

É obrigatório apresentar a caderneta de vacinação?

Não é obrigatória a apresentação da caderneta de vacinação, mas este documento é necessário para atualização de outras vacinas do calendário de vacinação.

Elisabety Borghelotti 

Pin It
Você gostaria de comentar?