Com o “Dia D” da campanha contra a gripe, mais da metade da população dos grupos prioritários de SC já recebeu a vacina

Neste sábado, 30, “Dia D” de mobilização da campanha nacional de vacinação contra a gripe, foi grande a procura às unidades de saúde da rede pública em todo o estado. Desde o dia 25 de abril, quando a campanha foi iniciada em Santa Catarina, 973.044 pessoas já foram vacinadas, conforme o balanço da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SC).

Entre os grupos prioritários, em que se acompanha a cobertura vacinal (crianças entre 6 meses e 5 anos de idade, trabalhadores de saúde, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, indígenas e idosos), foram aplicadas 701.368 doses, o que equivale a uma cobertura  de 55,3%. Outras 235.999 doses foram aplicadas em indivíduos portadores de doenças crônicas ou com condições clínicas especiais*. Como a estimativa é que existam 461.739 pessoas com comorbidades que devem ser imunizadas, já foram vacinadas 51% das pessoas pertencentes a este grupo.

Doses aplicadas e cobertura vacinal nos grupos prioritários

População alvo

População

Doses

Cobertura (%)

Crianças

383.573

185.230

48,3

Trabalhadores de saúde

123.865

65.128

52,6

Gestantes

69.543

27.928

40,2

Puérperas

11.422

6.761

59,2

Indígenas

9.165

1.379

15,1

Idosos

670.028

415.308

62,0

 Subtotal grupos prioritários

1.267.596

701.368

55,3

Comorbidades

461.739*

235.999

51,1

Pop privada liberdade

521

Funcionários sist prisional

470

Outros grupos

34.320

Total

973.044

Fonte: SIPNI/MS (atualizado em 01/05/2016 às 10

“O balanço até o momento é positivo, o que demonstra que a população pertencente aos grupos prioritários está procurando se vacinar de forma antecipada. Por conta da grande procura pela vacina desde o início da campanha, alguns postos encerraram as atividades mais cedo neste sábado em Santa Catarina, a exemplo do que aconteceu em diversas cidades brasileiras”, informa Vanessa Vieira da Silva, gerente de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Imunização e DTHA da Dive/SC. “Mas é importante lembrar que a campanha continua até o dia 20 de maio, e todos serão vacinados”, complementa Vanessa.

Para antecipar o início da campanha para o dia 25 de abril, o Ministério da Saúde destinou 1,138 milhão de doses (equivalente a 60% do total), as quais foram distribuídas a todos os municípios. No último sábado, 30, foi encaminhado outro lote, contendo 180 mil doses (equivalente a 10%), que também já foi distribuído para as gerências Regionais de Saúde abastecerem os municípios. Ao longo da semana, está prevista a entrega de mais um lote de vacinas por parte do Ministério da Saúde, o que garantirá a continuidade da campanha até o dia 20 de maio. “No entanto, é provável que os municípios encontrem dificuldade em abastecer todos os postos. Por isso, devem informar a população em quais postos estão disponíveis as doses, até a recomposição dos estoques”, alerta Vanessa. No total, o Ministério da Saúde destinará 1,759 milhão de doses para Santa Catarina.

Em Santa Catarina, os grupos prioritários que mais se vacinaram até o momento foram os idosos (62,0%) e as puérperas (59,2%), ou seja, as mães que deram a luz há menos de 45 dias. Os que menos buscaram a vacinação até agora foram as gestantes (40,2%).  Para os indígenas, existem equipes específicas que estão realizando a vacinação nas aldeias. A meta do Ministério da Saúde alcançar uma cobertura vacinal de 80% nos grupos prioritários.

É importante que as pessoas portadoras de doenças crônicas e outras situações especiais busquem se vacinar contra a gripe. “Por conviverem anos nessa condição, sendo acompanhadas por clínicos, cuidando da saúde e tomando seus medicamentos em dia, essas pessoas podem esquecer que fazem parte do grupo mais suscetível a apresentar formas graves de gripe causada pelo vírus influenza e que, por isso, precisam se vacinar”, alerta Eduardo Macário, diretor da Dive/SC. “Mais do que importante, é fundamental que as pessoas que apresentem comorbidades se vacinem”, reforça o diretor.

Vale ressaltar que a vacinação é apenas um dos pilares do tripé de combate a gripe. Os outros são a prevenção e o tratamento. A prevenção é adotar as medidas de higiene e da chamada etiqueta da tosse, como lavar as mãos várias vezes ao dia, evitar locais fechados e com aglomerações de pessoas, cobrir o rosto com lenço descartável ou com o antebraço ao tossir e espirrar e manter os ambientes ventilados. O tratamento deve ser iniciado assim que forem identificados os primeiros sintomas da gripe, que são febre alta, tosse seca, dor de cabeça e dor de garganta. “Além desses sintomas, se a pessoa apresentar falta de ar, confusão mental, vômitos e náuseas, deve procurar uma unidade de saúde o mais rápido possível, pois pode ser sinal de agravamento da doença”, enfatiza Eduardo Macário. Quando não tratada a tempo, a gripe pode evoluir para formas graves, como pneumonia, e levar à hospitalização e ao óbito. O tratamento é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde.

No site www.gripe.sc.gov.br, além de informações sobre a doença, as formas de prevenção e tratamento, há a lista completa das salas de vacina existentes em Santa Catarina, tanto da rede pública como das unidades privadas credenciadas pela Dive/SC para comercializar as vacinas.

*Indivíduos que apresentem pneumopatias (incluindo asma); cardiovasculopatias; nefropatias; hepatopatias; doenças hematológicas; distúrbios metabólicos; transtornos neurológicos e do desenvolvimento (como epilepsia, paralisia cerebral, síndrome de Down, entre outros); obesidade; imunossupressão associada a medicamentos; neoplasias; HIV/AIDS ou outros e pacientes com tuberculose, de todas as formas.

Informações adicionais para a imprensa:
Letícia Wilson / Patrícia Pozzo

Pin It
Você gostaria de comentar?