Cinco alunos de SC embarcam na segunda-feira (9) para o mundial de profissões, em Abu Dhabi

img_3335

Os cinco estudantes do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Santa Catarina que na semana que vem começam a disputa do torneio internacional de educação profissional, a WorldSkills Competition, em Abu Dhabi, reuniram-se com o presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), Glauco José Côrte, e diretores executivos da FIESC, na tarde desta quinta (5), na sede da Federação, em Florianópolis. “Vocês estão dando um grande exemplo a todos nós”, disse Côrte aos competidores, referindo-se ao comprometimento e dedicação aos treinamentos. O embarque da delegação começa neste sábado, com a viagem de alguns docentes. Os competidores viajam na segunda.

Os estudantes de Santa Catarina que disputarão o torneio mundial são Bruno Davila Gruner (de Jaraguá do Sul, em Polimecânica), Rodrigo Keller (Joinville, em Fresagem CNC), Rafael de Borba (Palhoça, em Manutenção de Aeronaves), Eric Cristhiano Marcelino da Silva (Tubarão, em Web Design) e Ana Carolina Gomes Jacinto (Blumenau, em Vitrinismo). O bom desempenho individual auxiliará o Brasil, atual campeão do mundo, após a vitória em 2015, em São Paulo, a buscar o bicampeonato. A delegação brasileira é composta por 56 competidores, sendo 50 do SENAI e seis do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Nas provas, os competidores realizarão tarefas típicas de cada profissão e serão avaliados pelos conhecimentos, habilidades e atitudes que demonstram. Nesta edição, a WorldSkills reunirá mais de 1,2 mil alunos de educação profissional de 68 países em 52 ocupações técnicas. Também integram a delegação catarinense os docentes-treinadores Daniel de Aviz (Fresagem CNC),  Rodrigo Campos (Manutenção de Aeronaves), Alexander Strenner (Polimecânica), Bruno Ângelo Medeiros (Web Design) e Cristiani Maximiliano (Vitrinismo). Além deles, Cléder Bez Batti (em Marcenaria de Estruturas), Dinor Martins Júnior (Engenharia de Polímeros) e Vitória Prado dos Santos (Tecnologia da Moda) participam da delegação por terem treinado competidores de outros Estados.

Côrte destacou ainda relevância da formação de bons cidadãos; “Costumamos dizer à indústria e aos pais: deem-nos um trabalhador e um estudante que faremos dele não apenas um profissional, mas também um bom cidadão”, disse. “Com o nosso trabalho podemos mudar o Brasil”, acrescentou, ressaltando que os competidores representarão os mais de 2,5 milhões de atuais estudantes do SENAI em todo o Brasil, além de todo o contingente que já concluiu sua formação.

Os estudantes lembraram que foram três anos de preparação, período no qual participaram de várias provas, incluindo as etapas estadual e nacional e a prova de desempate – realizada depois da etapa nacional, nos casos em que o segundo colocado obteve pontuação muito próxima à do vencedor. “Eu era estagiário no Instituto SENAI de Inovação e observei o forte treinamento dos competidores da edição passada, me empolguei, passei a treinar e hoje estou aqui; tenho uma grande paixão por esta ocupação”, disse Rodrigo, de Joinville.

Ana passou por uma experiência diferente dos demais na etapa nacional. Ela ficou com a medalha de prata, mas conquistou a vaga na prova de desempate. Vencedores na etapa nacional, Eric e Bruno também tiveram que se submeter ao desempate com os segundos colocados e conseguiram confirmar a vaga. “Depois de tantos anos de treinamento, o que eles realmente conquistaram foi o conhecimento; a medalha, se vier, será consequência”, afirmou a professora Cristiani.

O SENAI é a entidade brasileira associada à WorldSkills International, responsável por garantir que o processo seletivo no País siga as regras mundiais. É a instituição que treina, também, a maior parte da delegação brasileira que irá a Abu Dhabi.

As provas são realizadas durante quatro dias. Os participantes devem completar os desafios propostos dentro de padrões internacionais de qualidade, demonstrando habilidades técnicas individuais e coletivas em profissões da indústria e do setor de serviços, como automação industrial, eletrônica, eletricidade, cozinha e confeitaria. Cada uma das modalidades tem a participação de apenas um representante de cada País, seja uma pessoa ou uma equipe.

Histórico

A cada edição, o Brasil vem ganhando destaque na WorldSkills. Desde 1983, o SENAI representa o País no evento. Naquele ano, dois alunos da instituição competiram com jovens de 18 países. A primeira medalha brasileira, uma prata na ocupação de Tornearia, foi conquistada em 1989, quando a competição reuniu jovens profissionais de 21 países em Birmingham, na Inglaterra. Desde então, em 17 participações, os brasileiros já acumularam 121 medalhas. Na última edição, em 2015, em São Paulo (SP), a delegação brasileira conquistou 27 medalhas, consagrando o Brasil como o campeão do mundo.

Pin It
Você gostaria de comentar?