Alimentos que o bebê não pode comer até um ano de vida

papinha-bebe

A partir dos 6 meses de vida, o leite materno ou a fórmula infantil, não atendem todas as necessidades nutricionais do bebê e novos alimentos como verduras, frutas, leguminosas e cereais, devem ser introduzidos gradativamente na alimentação. Mas é muito comum a dúvida de quais alimentos que são proibidos até o primeiro ano de vida.

A verdade é que não existe consenso em relação aos alimentos contraindicados. Em 2010 a Sociedade Brasileira de Pediatria revisou algumas recomendações, liberando alimentos potencialmente alergênicos, como ovos e peixes, por possuírem alto valor nutricional.

Devem ser evitados nos primeiros meses de alimentação complementar alimentos que podem provocar mais alergias ou que apresentam maior risco de contaminação por toxinas e microrganismos ou ainda aqueles com baixo valor nutricional e que apresentam aditivos químicos. Abaixo seguem alguns alimentos que merecem atenção especial até o primeiro ano de vida.

Mel

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) recomenda que crianças de até 12 meses de vida não consumam mel. Este alimento pode estar contaminado com esporos da bactéria Clostridium botulinum responsável pela transmissão do botulismo intestinal. Em um estudo verificou-se que 7% das amostras colhidas em 6 estados brasileiros apresentavam colônias de Clostridium botulinum que produzem toxinas ativas. No primeiro ano de vida, a flora intestinal ainda está em desenvolvimento e não consegue barrar a ação dessa bactéria.

Açúcar refinado

O açúcar refinado ou mascavo são alimentos altamente calóricos, pobres em nutrientes e o consumo em excesso pode gerar uma série de doenças. A ingestão excessiva de açúcar, além de aumentar a concentração de insulina no sangue, também eleva a quantidade de adrenalina, causando irritação, ansiedade, excitação e dificuldade de concentração.

Importante ressaltar que o açúcar está presente não apenas em doces e balas, mas também em achocolatados, alguns tipos de iogurte, sucos e refrigerantes. Além disso, doenças bastante conhecidas da população causadas pela ingestão habitual de balas e doces são a cárie dentária e a inflamação nas gengivas.

Refrigerantes

Um estudo avaliou o comportamento das ondas cerebrais de crianças logo após terem ingerido doces e refrigerantes, e observou que na grande maioria dos casos ocorria mudança na capacidade de concentração. Adultos, submetidos a dieta semelhante, não apresentam os mesmos sintomas. Refrigerantes do tipo cola contém cafeína, um excitante que pode afetar a concentração e aumentar a inquietude. Além disso, o refrigerante é rico em açúcar, corantes, conservantes, sódio e outros químicos.

Café

A cafeína é um excitante do sistema nervoso central, e quando em excesso desencadeia reações de estresse, com liberação de adrenalina e outros hormônios da supra-renais. O café também apresenta concentrações de taninos, substâncias que podem inibir a absorção dos outros nutrientes ingeridos na alimentação, principalmente de ferro, mineral com demanda 40 vezes maior em bebês de 6 a 12 meses comparada aos primeiros 6 meses de vida. Chocolate, mate, chá verde, chá preto e refrigerantes tipo cola, também contem cafeína e podem desencadear excitação, prejudicar o sono e causar nervosismo em crianças.

Leite comum

O leite comum contém quantidades excessivas de proteína além de proteínas complexas de difícil digestão que tendem a agredir a mucosa intestinal do bebê, podendo provocar alergia ao leite de vaca, perda sanguínea visível ou mesmo imperceptível nas fezes e anemia. O bebê de 6 a 12 meses de vida tem alta necessidade de ferro e o leite comum contém baixa concentração deste mineral. Além disso, a quantidade de sódio no leite comum é superior à recomendada, podendo sobrecarregar os rins do bebê.

Industrializados em geral

Os produtos industrializados representam uma parcela cada vez maior da indústria alimentícia. São “alimentos” práticos, pois já vêm prontos ou semi prontos para o consumo. O único trabalho é abrir a embalagem e ela está cada vez mais fácil de abrir.

Tanta praticidade acompanha maior tempo de prateleira, muito sabor e aroma. Para conferir todas essas características atrativas, a indústria utiliza aditivos químicos, como corantes, conservantes, aromatizantes e estabilizantes. Essas substâncias podem causar problemas para a saúde do bebê, principalmente alergias. A quantidade de gordura, açúcar e sal nestes alimentos também é bastante elevada.

Até os 12 meses, os bebês precisam de menos de 1 g de sal diariamente (370mg de sódio) o que equivale a menos de meia colher de café por dia. O ideal é que a alimentação do bebê seja composta de alimentos naturais e a praticidade dos alimentos artificiais e/ou industrializados ocupe um pequeno espaço na alimentação de criança em idades mais avançadas.

Frutos do mar

Frutos do mar, ostras e mariscos não devem ser oferecidos a crianças até os dois primeiros anos de vida. São alimentos que podem disparar reações alérgicas e oferecem maior risco de contaminação por poluentes ambientais, microrganismos e suas toxinas, como, por exemplo, o vírus da hepatite A.

Oleaginosas

Nozes, castanha, amêndoa, avelã, amendoim e pistache fazem parte do grupo das oleaginosas. Tradicionalmente são alimentos com maior risco de provocar alergias. Para se ter uma ideia, a alergia ao amendoim nos Estados Unidos triplicou nos últimos 11 anos em crianças. A probabilidade de um alimento potencialmente alergênico causar reações alérgicas eleva-se com a presença de pais alérgicos e com a introdução precoce ou tardia de um novo alimento.

Também importante é a quantidade e a frequência com que o alimento será ofertado para a criança. Alimentos novos devem ser introduzidos em quantidade pequena, cerca de 1 colher de café, e observar as 48 horas seguintes a ocorrência de reações alérgicas. É indicado não introduzir mais de um novo alimento por vez, pois caso ocorra alguma reação alérgica, ficará difícil de identificar o provável causador.

Alimentos com risco de engasgo

Evite comidas em pedaços grandes. Corte em pequenas porções carnes, verduras e frutas. Uvas e tomates-cereja, por exemplo, devem ser cortados em quatro pedaços ou menos. Não ofereça ao bebê alimentos muito pequenos e duros como balas, oleaginosas e uva passa.

Evite alimentos moles e grudentos como doce de leite, chicletes, balas moles e brigadeiro, que podem ficar presos na garganta e são difíceis de serem retirados. O risco de engasgo aumenta caso a criança corra, pule ou brinque enquanto estiver comendo.

Não deixe seu bebê se alimentar dentro do carro, pois será mais difícil tomar conta dele e o movimento inconstante do carro pode causar um engasgo. Para evitar sustos, o ideal é que o bebê coma num ambiente tranquilo e sempre sob a supervisão de um adulto.

Pin It
Você gostaria de comentar?