Jota Quest faz rapaziada cantar em coro

1078651_flausino-comandou-um-coro-de-80-mil-vozes-no-palco-mundo

São dois os caminhos para alguém que assiste a um show do Jota Quest. O primeiro: não pensar. Conseguir libertar o corpo dos freios da razão e deixar-se levar pelo instinto, instigado por uma sequência de sons balançantes. A segunda: pensar, refletir, tentar entender que fenômeno é esse que vem ao Rock in Rio pela segunda vez apesar do mau humor histórico que a crítica musical dispensa a eles. Se são mesmo tão irrelevantes, fariam 80 mil pessoas saltarem de braços erguidos? Se suas letras são vazias, o que faz que sejam cantadas por uma multidão de adolescentes? Fazem música ou entretenimento? E por aí vai.

O que fizeram no primeiro show grande do Palco Mundo deste domingo, 15, foi uma demonstração de força. Rogério Flausino trouxe a munição do estoque com “Na Moral”, “Além do Horizonte”, “Encontrar Alguém”, “O Sol”. Anunciou no meio do show que o grupo vai lançar até dezembro álbum de inéditas com o espírito da disco music que marcou sua origem, algo que não faz há cinco anos. A multidão ficou a seus pés.

Beneficiado por uma qualidade de som de excelência, mostrou mais equilíbrio do que Dinho Ouro Preto, que abriu o Mundo com o Capital Inicial na noite de sábado, 14. E ensaiou seu discurso político: “A macacada quer saúde, quer educação, quer justiça”, disse, segurando a bandeira do Brasil.

Guardou um segredo para o fim. De terno branco, Lulu Santos apareceu tocando gaita para tocarem juntos “Tempos Modernos”. E ali o tempo parou sob uma nuvenzinha de preocupação: Skank, Jota Quest, Nando Reis, Titãs, Frejat… O rock pop, deste que ainda enche estádios com 80 mil vozes em coro, parou de ser produzido desde que a internet mudou tudo. Por isso, o Rock in Rio chama os mesmos grupos de rock nacional desde 2001. Se nada acontecer, eles estarão de volta em 2015, 2017, 2019.

MUNDO POP.

Pin It
Você gostaria de comentar?