Circuito Sesc de Música chega a Rio do Sul

A etapa do Circuito Sesc de Música 2017 em Rio do Sul será de 19 a 21 de julho. Serão três dias de shows selecionados para o projeto e de bate-papo com os artistas. A Fundação Cultural recebe as apresentações Miragem – Performance de Música Eletrônica Orgânica, de Diogo de Haro (dia 20) e Raiz Forte, de Ana Paula da Silva (dia 21). E no primeiro dia de programação de cada etapa, é realizado um show de abertura com uma banda da região para dar mais espaço e visibilidade aos grupos locais. Em Rio do Sul, quem toca é a banda Costeletas, dia 19. A entrada é gratuita e os shows iniciam sempre às 19h30min.

O circuito iniciou pelo Oeste de Santa Catarina, em junho, e até outubro percorrerá 24 cidades do estado em formato de minifestivais. Em agosto, o projeto circula pelo Norte, no mês de setembro passa pelo Vale do Itajaí e Litoral Norte e encerra em outubro, em cidades do Sul e Grande Florianópolis. As programações detalhadas podem ser consultadas em: ww2.sesc-sc.com.br/projeto/9.

Em 2017, o Circuito Sesc de Música completa 15 anos, mapeando o que há de melhor e mais contemporâneo nesta linguagem em Santa Catarina. Esse é o único projeto que promove a circulação e difusão de compositores e grupos musicais pelo interior de Santa Catarina. Com esta ação, o Sesc identifica sonoridades, incentiva artistas e promove o acesso da população a shows e concertos que dificilmente chegariam às localidades atendidas. Desde que iniciou, foram realizadas 715 apresentações, alcançando um público de 72.464 pessoas. Neste ano, a seleção ocorreu via a Plataforma IDCult/Sesc, que recebeu um grande número de propostas culturais, entre os meses de outubro e novembro de 2016.

 Ana Paula foto Isadora Manerich

Sobre os shows

Em Miragem – Performance de Música Eletrônica Orgânica, o pianista e compositor Diogo de Haro, de Florianópolis, apresenta uma performance sonora/musical que parte da matéria do som eletrônico produzido em instrumentos de síntese analógica, combinados aos timbres do piano acústico e do piano eletromecânico. Ele traz um impressionismo de fusões eletroacústicas que insinuam um estado de consciência fluida em que os âmbitos da materialidade e da imaginação entrelaçam-se. Apresenta a alternância não periódica entre translucidez e opacidade de espessas nuvens de ruído, que sugerem a existência de certos objetos sonoros hora encobertos, hora parcialmente desvelados. Mas essas emergências harmônicas e rítmicas podem ser reais ou imaginárias. Ou elas ainda podem existir em uma realidade híbrida onde se perderam os limites entre mente, sentidos e realidade concreta.

No bate-papo ao final da apresentação, Diogo aborda A Síntese Analógica como Catalisadora do Processo Criativo em Música, com uma exposição do processo de criação do concerto Miragem e seus desdobramentos. Explorador de sonoridades eletrônicas, Diogo de Haro é pianista de formação clássica, mestre em práticas interpretativas – piano pelo programa de pós-graduação em música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e bacharel em música pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Como compositor, é autor de trilhas sonoras para documentários, filmes, animações e espetáculos de dança.

A premiada compositora e intérprete joinvilense Ana Paula da Silva traduz a força do canto, da composição e faz um mergulho profundo em seus 20 anos de carreira no show Raiz Forte, homônimo ao seu sexto álbum. Ela mostra seu lugar, sua poesia, sua terra natal, seus ancestrais, tudo envolvido pelas águas catarinas, seu violão sua voz e sua raiz. O álbum Raiz Forte apresenta composições próprias, algumas parcerias e duas músicas do compositor e violonista Chico Saraiva com seus parceiros Juliano Holanda e Kiko Dinucci, finalizando com um arranjo pra lá de sensível e especial para a música Casamiento de Negros, de Violeta Parra (Chile). Uma obra delicada com identidade, com vários arranjos desenvolvidos em costura com a voz e o violão.

Após a apresentação, Ana Paula participa do bate-papo Cenário Musical Brasileiro: uma reflexão sobre o momento atual musical no Brasil, suas manifestações, sua divulgação.  Ana Paula da Silva já lançou seis álbuns e realizou turnês pelo Brasil e fora do país. Dentre os prêmios da musicista estão Caixa Cultural, Prêmio Pixinguinha e Prêmio Destaque Cultural do Ano como a artista catarinense que mais fez shows fora do Brasil (2013), e Melhor Cantora no Prêmio da Música Catarinense (2015).

Já a banda Costeletas existe desde 2006 e atualmente é formada por Fernando Ávila (bateria), Guilherme Frahm (guitarra e voz), Rafael Tschumi (guitarra e voz) e Rodrigo Fronza (baixo). Com dois álbuns lançados, seu trabalho autoral possui influência da Jovem Guarda, rock brasileiro e rock americano e britânico dos anos 50 e 60.

Tiago Amado

Pin It
Você gostaria de comentar?